Batman, Arlequina e o clickbait | Crítica

“Arlequina faz sexo com Asa Noturna em nova animação.”

“Arlequina aparece seminua em nova animação.”

“Bruce Timm exagera ainda mais em animação da Arlequina e personagem aparece com dois cofrinhos! Isso mesmo!”

bla bla bla

Vamos com calma, gente.

Nesse fim de semana assisti a nova animação da DC “Batman e Arlequina” (dirigida por Bruce Timm, um dos criadores da personagem), demorei pra assistir por conta das polêmicas e manchetes como as que citei acima. Mas espera um pouco gente, o filme não é tão ridículo e nem escrachado como certos sites falam.

Claro que o filme não é tão sério quanto a maioria das animações da DC, até porque, estamos falando do universo da Arlequina que é bem diferente do universo Batman que estamos acostumados, por exemplo. O filme é bem leve e engraçado e segue o padrão de animação daquelas animações antigas da DC (aquelas que você provavelmente assistia no SBT) e tem até o Batman rindo e fazendo piadas com peido, sim, você não leu errado.

Concordo que em certas partes a Arlequina é sexualizada em seu desenho, por exemplo numa parte que ela está dançando a sua bunda cresce sem motivo algum. O lance dos cofrinhos é real, mas aparece tão rápido na tela que se ninguém tivesse feito uma notícia sobre, eu não teria percebido. Não sei se foi proposital ou se foi erro do desenhista, mas mesmo assim, desnecessário. Infelizmente a personagem tem sido muito sexualizada, seja nos filmes ou nos videogames e até nas animações isso acontece, quem sabe no futuro os roteiristas percebam que isso não agrada ninguém além deles mesmos, né? E sim, ela faz sexo com o Asa Noturna, mas não é nem uma cena absurda e nada que possa chocar alguém até porque o filme tem classificação para 12 anos.

O filme é bastante engraçado, conta com uma trama bem construída com o roteiro amarradinho. A trilha sonora também compõe muito bem a animação e até remete as animações antigas que utilizavam de um jazz bem acelerado para uma cena de perseguição por exemplo. As piadas de Arlequina e até os momentos em que ela brinca com o Batman e até mesmo os alívios cômicos que envolvem o Asa Noturna e também o Homem Morcego são o que fazem este filme valer a pena.

Única coisa que me deixou um pouco incomodada foi o final, o filme parece que acaba do nada e vem os créditos na tela e você fica esperando algo a mais, vem uma cena pós-créditos, que é muito boa por sinal, mas não tem nada a ver com o final do filme. Apesar de não ter gostado do final o filme ainda valeu a pena pra mim, tive uma experiência muito divertida enquanto estava assistindo. Quando acabou eu até pensei “cara, eu tava julgando o filme por causa do que eu tava lendo na internet e não era nada disso que eu tava pensando.” Me baseando nas notícias que estavam saindo na época do lançamento da animação, parecia que o filme inteiro era uma loucura e que a Arlequina era uma maníaca sexual e que ficava pelada o filme inteiro, mas isso felizmente não acontece.

É muito triste ver sites grandes utilizando do método de clickbait para atrair clicks e leitores, essas manchetes sensacionalistas mudam o sentido da notícia e se você acaba lendo o artigo percebe que não é tudo aquilo que está no título, ou muitas vezes, a pessoa só lê o título e já sai falando mal de algo sem ao menos ter lido a própria notícia em si ou ao menos assistido ao filme ou série que está sendo criticado. Falo isso pois eu fazia o mesmo, lia a manchete e já julgava que o filme era ruim, mas as vezes eu assistia ao filme depois e quebrava a cara, acabava gostando do que via. Não criem suas opiniões baseadas em manchetes ou artigos, procure assistir o filme ou série que está sendo criticado e crie uma opinião própria, se concordar com o artigo, tudo bem, se não, tudo bem também.

Por: Camila Hortencio