Prison Break – “Ogygia” | Review

As séries de tv hoje ganharam uma aliada muito forte para impulsionar títulos antigos e colocar na boca da galera novamente. A Netflix fez Breaking Bad alcançar um público muito maior depois que adicionou em seu catálogo todos episódios, a série de fato ganhou um bom reconhecimento a partir da terceira temporada, e o serviço de streaming alavancou mais fãs para a série, talvez Better Call Saul só foi possível por esse motivo. Mas a série de Vince Gilligan não foi a única a ganhar força graças a Netflix. Apesar de ter feito um bom nome antes de ser adicionado no catálogo da Netflix, Prison Break acabou sendo mais uma “novidade” em meio da lista de séries disponíveis no serviço de streaming e assim, ganhou ainda mais fãs.

Diferentemente de Breaking Bad, Prison Break é mais popular por ser mais simples e mais despretensiosa que a série de Gilligan. Breaking Bad infelizmente ainda é uma série para nicho. Enquanto Prison Break é uma série onde o gosto por séries surge ao acompanhar a trajetória de Michael Scofield (Wentworth Miller) e Lincoln Burrows (Dominic Purcell) por quatro temporadas, além de uma trama inicial bem curiosa, focada em intrigas e ação, abusando de sua curiosidade, parecia uma série com uma trama bem curta, mas Paul Scheuring adiou o final em três temporadas (até então) após conseguir realizar uma trama intrigante e muito curiosa da primeira temporada.

O anúncio do retorno de Prison Break para uma quinta temporada, foi algo muito inesperado, já que toda a trama tinha se fechado em um final certo, sem condições para continuação. Assim como Better Call Saul talvez só exista pelo sucesso de Breaking Bad na Netflix, o retorno de Prison Break só exista por seu sucesso entre o público do serviço. E não só por isso, mas a série ainda é bem comentada por pessoas sem compromisso com séries, podendo facilmente entrar em qualquer lista de melhores séries entre eles. Por isso Prison Break entrou na moda de revival, pois atinge diretamente o grande público que acompanhou a série e o novo público que a Netflix trouxe para a série. Mas isso levanta uma questão importante, assim como todos os outros revivals, é necessário? Ainda não temos a resposta, e é isso que a série precisa mostrar, para o público antigo, publico novo e para todos aqueles que pensam em trazer uma série novamente.

O primeiro episódio da série não traz nada de mudanças, nem algo diferente, os personagens apesar da mudança de expressão são os mesmos, e a trama mesmo com a surpresa da não morte de Scofield, basicamente é a mesma, ainda apelando para uma conspiração sobre quem está em volta dos irmãos, seguindo o plano lá do começo. Além de deixar várias perguntas no ar, te obrigando a querer ver mais. Alguns dos personagens importantes estão de volta, Lincoln, Michael, T-Bag, Sucre, C-Note e Sara dando um tom de uma continuação direta da série. Mesmo com diversas perguntas e pontas soltas, a série promete mostrar novamente o que fez de melhor, a relação entre os irmãos e o mais legal, como fugir de uma prisão.

Ainda não é possível dizer que Prison Break voltou com tudo, já que depois que a série terminou em 2009, o conceito mudou um pouco. Fazer experiências na tv está quase sendo obrigatório para uma série de sucesso, já o retorno de Prison Break pelo menos por enquanto, deixou claro que, não houve mudanças na série, seguir o mesmo formato das temporadas anteriores, pode ser uma coisa boa para os fãs que a tem como uma das séries favoritas, mas para tv, esse formato deixou de ser bom.

Por Gabriel Stuchi

#DominicPurcell #PrisonBreak #5ªtemporada #PaulScheuring #Revival #WentworthMiller